Em busca de Rui de Noronha, escritor moçambicano revisitado (Continuação)

 4. A Poesia: Os Sonetos mutilados e outros poemas Entre todos os seus belos sonetos, seleccionámos um, definidor da sua personalidade forte e sensível, que ilustra o caminho percorrido, identifica o viajante, as suas influências (Antero de Quental e Luís Vaz de Camões para citar os mais proeminentes) e o estado de um espírito inquieto e eternamente sofredor. Em “Metempsicose”[1] traça a sua trajectória de vida que foi mudando, transfigurando-se em “herói, mendigo, rocha, astuta fera” até ao fim do percurso como poeta:  METEMPSICOSE

Fui rocha em tempo. Ramo altivo e esguio

No cimo de um cipreste dominando;Talvez as águas de um antigo rio,Nas ondas do oceano soluçando… Talvez mendigo, acorrentado ao frio,Herói de lendas mouras, pelejando,Raivosa fera o matagal bravioÀ noite co’ os rugidos acordando… Hoje…um poeta. E talvez que outroraNão sentisse a ansiedade que devoraO peito meu magoado e insatisfeito. Herói, mendigo, rocha, astuta fera, Já fui talvez, agora quem podera Deixar em liberdade um triste peito…

Em Rui de Noronha há uma busca constante do eu, pequeno grão de areia no cosmos, ser errante, inconstante e mutante, na sua versatilidade. O seu auto-retrato encontra-se em “Vagabundo”, pincelado em tons de grito e sofrimento mas com uma luz de esperança, de fraternidade entre os homens.

                                VAGABUNDO[5]  [6]

                                               Eu vi um dia um doido, um vagabundo,

                                               Andar de porta em porta, em altos gritos.

                                               Li-lhe nos olhos um penar profundo

                                               E tive dó dos olhos seus aflitos…

                                                               Eu vi um doido, um vagabundo…

                                                               Ninguém fazia caso dos seus ditos.

                                                               Tanta gente há que sofre neste mundo,

                                                               Que importa um grão de areia entre infinitos?

                                                               Mas tive dó daquele desgraçado

                                                               Que mundo fora andava amargurado,

                                                               Por ser no mundo inteiramente só.

                                                                E abri-lhe os braços… mas oh, espanto! oh, céu!                                                               Aquele vagabundo – era eu…                                                               E eu tive dó de mim… imenso dó… O poeta apresenta-se igualmente em “Meus Versos”, soneto significativo de um activista social, com uma sensibilidade aguçada e próxima de uma realidade de sofrimento, vivência de racismo e de miséria espelhado nos meninos da rua, quais pássaros de asa ferida cujo destino o regime colonial já tinha traçado, sem rumo e sem altura.                                                                                                              

  MEUS VERSOS                                                                                Versos meus, minhas lágrimas choradas                                                                             

 De amor, de esperança e de ansiedade,

                                                                              Lágrimas tristes, erma mocidade                                   

                                                                              Tornadas rima e sílabas contadas…                                                                              Versos meus – criancinhas enjeitadas,                                                                             Sem lar, sem pão, em ruas da cidade,                                                                            A quem dá esmolas a mão da caridade                             E dá abrigo o vão dumas escadas.                             C’ mo pombas que erguem voo olhando a altura,                            Quereis partir, sem rumo c’ mo os meninos…                            A vossa inquietação é de ave f’ erida…                                                                           Voar p’ ra que?… Vossa plumagem escura                                                                          E o negro fundo do painel da vida                                                                          Sobre que Deus pintou nossos destinos…

                   (Continua na próxima semana)


[1] Metempsicose, isto é, “teoria que admite a transmigração das almas de um corpo para o outro.” In Dicionário Universal da Língua Portuguesa, Lisboa, Texto Editora, 1998, p. 972.

[2] In “Miragem”, 22, 03,09.1932, p. 6.

[3] Cf. “Evolução”, soneto de Antero de Quental. In “Miragem”, 22, 05.09.1931, p. 4.

[4] Cf. “Sonetos”, de Rui de Noronha, publicados em Lourenço Marques pela Tip. Minerva Central, (1943), p. 41.

[5] In “O Brado Africano”, n.º 710, 30.06.1934, p. 1.

[6] Cf. “Sonetos”, p. 43.

[7] Ver Espólio literário

[8] Cf. “Sonetos”, p. 19.

     

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s