Goa: O noviciado onde Fernão Mendes Pinto professou!

Deixo aqui breves traços do Seminário de Chorão. Com o falecimento de Dom Frei João de Albuquerque ocorrido em 1553, primeiro Bispo de Goa que chegara a Índia em 1538, governou a diocese o Cabido, desempenhando as funções episcopais Frei Dom João Nunes Barreto. Dom João Nunes Barreto, Patriarca da Etiópia e o primeiro Bispo da Companhia de Jesus, como não pode entrar na sua diocese, fixou m 1558 a sua residência na então flores­cente ilha de Chorão, construiu sobre a encosta ocidental da colina “umas pequenas casas térreas“, junto à igreja da Nossa Senhora da Graça, que depois serviram de quinta ao Colégio de S.Paulo. Estas “casas térreas” foram transformadas no Noviciado da Província de Goa, segundo o intento do Patriarca da Etiópia que lá se retirava algumas vezes ao ano para os seus Exercícios Espirituais (Pe.Francisco de Sousa, Oriente Conquistado, vol.1, c.5, d.2, #70).

A casa ficava situada perto da primitiva igreja da freguesia da Graça, fundada alguns anos antes de 1557, quando os Jesuítas fizeram grande número de conversões na ilha de Chorão. Diz o cronista, Padre Francisco de Sousa: “Tem a Ilha (de Chorão) de circuito légoa e meia, fresca pelas margens do rio, e secca no interior. É muito povoada, e de excellentes ares. Tem duas freguezias, uma de Nossa Senhora da Graça, outra de S.Bar­tholomeu feita no anno de 1569. Ambas correram por nossa conta, e depois as largamos aos Clérigos. A egreja do nosso Noviciado foi a freguezia antiga da Graça, e por ser o primeiro berço desta christandade é frequentada com especial devoção de numeroso concurso” (OrConq, vol.1, c.1, d.2, #41). A invocação desta igreja da Graça em Assunta teve lugar por ocasião da transferência do Noviciado, como era costume dos Jesuítas mudar de invocação as igrejas dos seus estabelecimentos quando estes sofressem transformações (como por ex. a igreja de Todos os Santos do Seminário de Rachol teve por titular Sto.Inácio de Loyola após a sua canonização em 1622). Quando a pequena casa do Patriarca de Etiópia foi radicalmente transforma­da em Noviciado da Companhia de Jesus e se deu outra invocação à sua igreja, a de Nossa Senhora de Assunta, os fregueses da Graça fabricaram uma nova igreja na proximidade, como insinua o Padre Francisco de Sousa: “a egreja do nosso Noviciado foi freguezia antiga da Graça” , e por conseguinte já cessara de ser nos fins do século 17, época do cronista. A nova igreja da Graça deve ter sido construida, na proximidade, no fim do pri­meiro quartel ou no começo do segundo do mesmo século. Em 1859 foi edificada a actual igreja da Graça em outro local, um tanto apartado (cf.Felipe Néri Xavier, Resumo histórico da Vida de S.Francisco Xavier, pp.108, 129).

Naquela residência funcionava uma escola, fundada em 1559 pelos Jesuítas, por iniciativa do Patriarca da Etiópia. Lá se ensinava a ler, a escrever e a Doutrina Cristã a 400 meninos (vide O Ultramarino, no.60-76, 1901-1902). Ensinava-se lá a lingual de Goa, Concani, aos candidatos Jesuítas (OrConq, P.2, c.2, div.1 & 4). Foi chamado mais tarde “Real Colégio de Educação de Chorão“, situado sobre uma colina, a uma milha de distância da margem direita do rio Mandovi, e pròximamente a duas léguas de distância da Velha Cidade.

Mais tarde, em 1565, os Jesuítas transferiram para aquele edifício, já ampliado, o Noviciado de São Paulo o Velho da Velha Cidade.

Em Chorão permaneceu o Noviciado até a extinção da Compan­hia de Jesus, que teve lugar em Goa em 1759. É interessante saber que neste Noviciado professou Fernão Mendes Pinto, o autor das Peregrinações, na igreja de Nossa Senhora da Graça, onde fez a resolução de entrar na Companhia de Jesus, com o auxílio do Padre Mestre Belchior Nunes, depois de ter gasto enormemente em aplicações pias (Pe.Caetano Francisco de Sousa, Instituições Portuguesas de Educação e Instrução. Estudos Histórico-Arqueológ­icos, p.94).

O Seminário de Chorão era, pois, um casarão formoso e sufi­cientemente espaçoso, coroado por uma série de tectos acuminados, que cobriam cada pavilhão separadamente, como era costume fazer no século XVII. O Abade Cottineau, que o visitou em 1827, achou nele, visto de longe, uma verdadeira aparência de um “cenário de Graça“.

Após a expulsão dos Jesuítas em 1759, foi estabelecido neste Colégio da Companhia de Jesus o Seminário Diocesano, em virtude das instruções régias, dadas ao Vice-Rei Conde de Ega, em carta do Secretário do Estado, Francisco Xavier de Mendonça Furtado, de 2 de Abril de 1761 (em harmonia com a minuta para os Estatutos, que as acompanhava). É digna de ler essa carta e minu­ta, onde a par do ódio inveterado aos Jesuítas, se vê a nobreza de sentimentos do grande Estadista Português, o célebre Ministro d’El-Rei D.José, o Marquês de Pombal, Sebastião José de Carvalho e Melo (Vide “Notícia Histórica e Legislação da Instrução Pública na Índia Portuguesa“).

A direcção dos estudos do Seminário, apenas estabelecido em 1761, foi confiada aos Congregados de S.Filipe Néri (ou do Orató­rio da Cruz do Milagres de Goa), como expressamente ordenava a referida ordem da Corte, havendo sido nomeados Reitor e Vice-Reitor os Frades Dominicanos (sacerdotes europeus da Ordem dos Pregadores), Fr.Belchior António Cabeças (Reitor) e Fr.Francisco Xavier (Vice-Reitor), até 1779, em que passou para os Congregados de S.Vicente de Paula. Pela ordem de Dona Maria 1a., vieram a Índia dois sacerdotes portugueses da Congregação de S.Vicente de Paulo (Lazaristas ou Vicentinhos), António Luís dos Santos (Reitor) e Manoel Correia Valente (Vice-Reitor). Os Congregados de S.Filipe Néri (Oratorianos) foram privados do magistério. A Rainha mandou, pela carta do Secretário do Estado, Martinho de Melo e Castro, em 21 de Março de 1779, ao Governador deste Estado D.Frederico Guilherme de Sousa entregar-lhes, de acordo com D.Fr.Manoel de Santa Catarina, então Bispo de Cochim e Administrador desta Arquidiocese, um dos dois Colégios, o de Rachol ou de Chorão. O Seminário de Chorão lhes foi entregue, com os seus bens de raiz. Tudo foi inventariado pelo assento de 13 de Dezembro de 1779. Nesta ocasião o Padre António Luís dos Santos, aproveitando da sua influência na Corte, obteve da Rainha D.Maria 1a., autori­zação para expor à veneração pública o Corpo do glorioso Apóstolo das Índias, S.Francisco Xavier, em 1781, a qual foi efectivamente dada por um ofício da Corte de 4 de Março de 1781, dirigido ao Governador D.Frederico Guilherme de Sousa. Antes da solene Exposição, o Corpo do Venerando Apósto­lo foi examinado em 1 de Janeiro de 1782 (de que foi lavrado o competente auto, que foi assinado, entre outros, pelo Padre Mestre Manoel Correia Valente e Padre António Luís dos Santos).

Os três Seminários estabelecidos nesta Arquidiocese foram confiados aos Lazaristas: Casa Professa de Bom Jesus; Noviciado de Chorão; e o Colégio de Rachol da Companhia de Jesus. Nesta ocasião foi consignada ao Seminário de Chorão a quantia de nove mil trinta e oito xerafins, uma tanga e cinquenta e nove réis ânuos (9,038:1:59), pelo assento tomado pelo Governador D.Frederico e Arcebispo S.Catarina, a 14 de Abril de 1781. Mas expulsos os Lazaristas, poucos anos depois por causa de um conflito com o Governo, o Seminário de Chorão foi outra vez entregue aos Congregados de S.Filipe Néri, sendo o seu pri­meiro Reitor Congregado o Padre Mestre Nicolau Francisco de Abreu, natural de Anjuna. Os estudos neste Seminário continuaram com muito fervor sob a sábia direcção dos Religiosos Congregados, mas como o local era insalubre baixou notà­velmente o número dos seus alunos, internos e externos, tornando-se inferior ao do Seminário de Rachol, como notou o viajante Abade Cotti­neau a quando da sua visita.

Extintas as ordens religiosas em 1834 em Portugal esteve este estabelecimento sujeito no seu regime e direcção ao Arcebispo Primaz e no administrativo à Junta da Fazenda. O Seminário de Chorão foi confiado aos sacerdotes seculares. O Seminário se fechou em 1859, sendo o último Reitor Pe.António Filipe Lourenço, de Margão.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s