As Fardas e o Maio de 68

Há aqui uma questão que me suscita algumas reflexões, que pretendo partilhar com quem quiser: o fardamento nas escolas brasileiras. Qual a sua função? Social? Política?  De Marketing?

Não posso afirmar que em todas as escolas públicas brasileiras existam fardamentos. Em algumas sim. Há escolas para todos os bolsos, no sector privado, e ai julgo que em todas o fardamento será, senão obrigatório, pelo menos usado pela esmagadora maioria dos estudantes. Além disso o regulamento escolar aconselha o seu uso. E há até penalidades, para quem não o usar.

A primeira reflexão que fiz quando exigiram a farda à minha menina foi a quente: “Ridículo, querem é vender fardas (sim, porque elas custam dinheiro, são um comércio) e assim até fazem publicidade, usando os alunos, que andam com elas pelas ruas”. Não é que seja uma insinuação descabida, mas, em seguida o anjo colocado num dos meus ombros trouxe-me uma luz: “Ah, pois, deverá ser para que todos sejam iguais, para que não se distingam pela roupa que cada pai possa comprar”. O meu diabinho do outro ombro logo evocou Maio de 68: “Mas que diabo, então não temos direito à nossa individualidade? Não podemos, através das roupas, mostrar quem somos, ou quem pretendemos ser? Não é a roupa também ela um refelexo de nós, uma voz ou até um grito da alma”?

Sem falar das universidades, porque não conheço o caso, pelo menos até à universidade, os alunos do privado e alguns do público são todos iguais. Serão mesmo? Não, porque alguns podem comprar Ray Ban e TagHeuer, outros só  terão para Timex e Mormaii, outros mal terão para comer. Além disso, quem anda no Colégio Motivo não pagará menos de 1000 reais por mês, o que os coloca no patamar do Rolex, Omega e Tag; já os que frequentam o Colègio Souza Leão pertencerão ao grupo médio, que pagará em volta e 400 reais mensais. Estão nivelados com a Tissot ou Victorinox. Ainda dentro do ensino privado, já por si elitista, temos os que frequentam, por exemplo, o Colégio Avançar, que pode custar no mínimo uns 150 reais. Podem comprar Mormaii, Swatch, eventualmente um Orient.

Ora se as fardas têm uma função social, de nivelamento, de aproximação entre classes, tudo se desmorona, porque andar no Colégio Movimento e exibir a sua prestigiada T-Shirt na rua ao aluno do Avançar, imagine-se o peito inchado de uns e os ombros encolhidos de outros, ao cruzarem-se.

Se a questão é o Marketing, então a “jogada” é ainda pior, porque é um mau Marketing, que divide ainda mais, que atrai vaidades indesejadas, que coloca crianças em pódios antes da corrida começar. Na verdade, não existem assim tantas corridas.

Esta questão das fardas é um verdadeiro atentado ao que deveria ser o ensino e a escola. Ao invés de democratizar, de oferecer oportunidades iguais, de promover a individualidade, o uso de uma peça de roupa com letras promove e subalterniza, produz complexos de superioridade e inferioridade, agiganta uns sobre os outros.

Conhecendo a sociedade pernambucana como conheço afirmo, sem medo de errar, que as fardas são fardas com galões, umas com mais, outras com menos, e servem para distinguir. A fornada de 2008 do Colégio Motivo será composta por empresários, políticos, senadores, proprietários de grandes superficies, playboys endinheirados, madames da nata pernambucana, que nasceram com o carimbo da  fartura. São branquinhos os meninos e meninas do Colégio Motivo, claro. São os homens e mulheres que farão o amanhã de Pernambuco, um Pernambuco que, visto do céu e no cartão postal, cresce a olhos vistos (sobretudo na vertical), mas que permanecerá imóvel nas questões principais.

Pedro Araújo

2 pensamentos sobre “As Fardas e o Maio de 68

  1. O Uniforme
    Quando pequeno entrei no Seminário de Saligão-Pilerne, em Goa, onde tive de usar o uniforme, caquí e branco. Nas aulas usávamos caquí, enquanto para festas usávamos branco. Ainda nas prais de Calangute, tínhamos de ir de uniforme. É isto que eu detestava, porque era jovem e desejava correr com a bola sobre a areia branca das praias. Quando viajei para Panchgani, em Mhableshwar, para visitar a minha tia-madrinha, Carolina da Conceição e Sousa, também fui de combóio e tive de usar o uniforme caquí. Houve hindús que me perguntaram se eu era carteiro (postman). Isto indica que nem sempre é agradável usar a farda… Mais tarde, os Superiores dos Seminários mudaram as leis de uniformes, tanto o uso obrigatório do uniforme como o da sotaina…
    Dr.Ivo da C.e Sousa

  2. De facto isso do uniforme escolar é uma questão complexa.
    Mas não será tanto por causa dos uniformes como pelas desigualdades sociais que espelham.
    Em Portugal, temos ensino público e privado, primário, secundário e universitário.
    Claro que em colégios chiques o uso de uniforme é obrigatório e já presenciei situações em que, numa reunião de vários grupos escolares de diversas proveniências, as educadoras tiveram que se esforçar ao máximo para segurar os miúdos pobres das escolas públicas para que estes não partissem para a violência sobre os de um colégio particular assim que os ouviram cantar alegremente o hino da sua escola.
    Por outro lado, se há grupo particularmente sensível às questões da moda é o dos adolescentes. Há indivíduos que vão para a aula em calções de praia e chinelos, outros que levam as calças a escorregar pela cintura abaixo expondo o traseiro, raparigas que querem parecer mulheres feitas com decotes generosos e armações para elevar o que ainda não cresceu o suficiente, etc., etc.
    Se vivessemos numa sociedade justa, todos vestiríamos de igual para que não houvessem distinções, todos ganharíamos o mesmo salário, teríamos as mesmas responsabilidades, viveríamos em habitações iguais, teríamos os mesmos automóveis…
    Ainda bem que a sociedade não é justa!

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s