Como surgiu a massa do universo?

  O acelerador de partículas mais potente do mundo, o LCH, começou a funcionar há quase uma hora, um projecto faraónico que juntou milhares de cientistas do mundo durante 20 anos e que procura simular os primeiros milésimos de segundo do Universo.

O Large Hadron Collider (LHC), projecto que o Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) desenvolve há mais de dez anos, é considerado a experiência científica do século e vai permitir recriar as condições do início do Universo, há cerca de 13,7 mil milhões de anos atrás.

Desde 1996, o CERN construiu a 100 metros debaixo da terra, perto de Genebra, na Suiça, um anel de 27 quilómetros de circunferência, refrigerada durante dois anos para atingir 271,3º Celsius.

À volta deste anel estão instalados quatro grandes detectores, no interior dos quais vão produzir-se colisões de protões numa velocidade próxima da da luz.

Em plena força, 600 milhões de colisões por segundo irão gerar uma floração de partículas tal como aconteceu no início do mundo, algumas das quais nunca puderam ser observadas.

No entanto, só daqui a alguns meses, quando se comprovar a evolução do funcionamento, é que haverá colisões de partículas.

“Certamente que no dia 10 não vai haver uma grande descoberta. O que os nossos físicos estarão a fazer é olhar para os monitores da sala de controlo e verificar que o detector está a funcionar”, explicou Ana Henriques Correia, uma física portuguesa envolvida no projecto desde o início, e que nesta nova fase estará envolvida nas calibrações do calorímetro e análise das partículas que vão ser produzidas no detector.

“Tanto o acelerador como os detectores vão necessitar nos próximos meses de um processo de optimização e de ajuste de calibração até estarem 100 por cento operacionais”, acrescentou, salientando que o que está planeado é que nos próximos meses “aconteçam as primeiras colisões e que a energia da colisão dos protões atinja a sua intensidade máxima no espaço de um ano”.

Só então estarão criadas as condições para o estudo de novos fenómenos, através da recriação das condições que se produziram instantes depois do Big Bang.

As partículas serão dirigidas graças a 9.300 ímanes gigantes supracondutores.

O objectivo final desta grande experiência é poder dar resposta a muitas perguntas sobre a origem do universo, entender porque a matéria é muito mais abundante no Universo do que a anti-matéria, e chegar a descobertas que “mudarão profundamente a nossa visão do Universo”, afirma o director do CERN, Robert Aymar.

Uma das aspirações dos cientistas é encontrar o hipotético bosão de Higgs, uma partícula que nunca foi detectada com os aceleradores existentes, muito menos potentes que o LHC.

Situado em Genebra, o CERN é um organismo europeu propriedade dos seus 20 Estados-membros, entre os quais Portugal.

O projecto, para o qual contribuíram os países europeus, mas também os EUA, Índia, Rússia e Japão, custou 3,76 mil milhões de euros.

Na construção do LHC participaram mais de 10 mil cientistas e engenheiros de 580 universidades e de cerca de 100 nacionalidades.

Fonte: http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Tecnologia/Interior.aspx?content_id=1010802

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s